quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

"Baleação"

"Está tudo calado e ansioso, ninguém diz palavra inútil: homens, barco, arpoador e arpão, tudo tem o mesmo corpo e a mesma alma. São sete, à caça do monstro. Todos ganham: uma baleia dá muito óleo e o óleo dá muito dinheiro. Às vezes dá âmbar. Já outras canoas de aproximam. Mas, antes que lhe tirem a baleia, o trancador lança o ferro. O bicho tem um momento de hesitação e surpresa, como o touro quando lhe cravam a bandarilhas, o que permite ao barco desviar-se numa remada, antes de ser abafado na cauda ou envolvido no redemoinho das ondas. Não há um segundo de dúvida ou movimento falso. A baleia mergulha entre as vagas, com o risco de os arrastar para o fundo, e leva-os numa velocidade de expresso, pelo mar fora, porque aquela grande massa é de uma agilidade espantosa. E lá vão no curso entre as águas rasgadas, no grande sulco aberto com violência tomando tento na linha. A baleia mergulha. Corre agora linha de manilha americana, muito bem enrolada dentro de duas selhas, e os homens pálidos e imóveis, com o coração do tamanho de uma pulga, esperam. A baleia pode desaparecer durante vinte minutos. Às vezes a linha acaba-se quando a baleia mete muito para o fundo. Se está outro barco perto, fornece-lhe mais linha, senão a baleia perde-se: têm de cortar a manilha ou são arrastados para o abismo. A arça é o fim da linha, e é com pena que eles a vêm acabar-se. Passam a ponta de mão em mão, até ao último tripulante, que só larga com desespero. Mas em geral a baleia mergulha, vem à tona antes que se acabe a linha, e o que ela mostra primeiro é o focinho, para resfolgar. Aproxima-se e dão-lhe uma lançada ao pé da asa para a sangrarem. Mergulha, reaparece, esgotam-na e têm-na certa quando começa a esguichar sangue pelas ventas. "

Excerto retirado do site da Câmara Municipal das Lajes do Pico

6 comentários:

Laurus nobilis disse...

Não conheço, mas dizem-me que o museu das Lages do Pico é bastante interessante.

almagrande disse...

Boas Laurus, também não mas pela breve visita que fiz ao site fiquei a saber que a fábrica que se vê no filme está a ser restaurada para aí ser implantado um centro de artes e núcleo museológico.

Maffie disse...

O museu é muito bom. Visitei-o há 10 anos e só não repeti a visita este Verão por estar cheio de gente. É uma grande atracção de Lages do Pico. Tem uma grande colecção de objectos e alguns filmes. Mas, o que mais me impressionou foi o facto de conseguir transmitir de forma clara, nada cansativa, a origem e a arte (no sentido de mester) da caça à baleia. Tornou-se para mim mais claro o porquê da melancolia dos mais velhos após a proibição da mesma, embora a compreendam, aceitem e se tenham empenhado na protecção e estudo dos cetáceos, continuando a colaborar como vigias.

almagrande disse...

Maffie, obrigado pela achega.

maffie disse...

só uma achega. não é pesca, mas caça à baleia (título do filme).

almagrande disse...

Boas Maffie, logo que o meu proa pôs o video viu que tinha feito asneira mas..não alterou! É muita preguiça..
Mas foi severamente vergastado.