quarta-feira, 31 de março de 2010

"Vougas"








Ainda faltam uns quantos dias mas fica desde já o convite para quem quiser fazer uma passeata agradável no fim-de-semana de 24 e 25 de Abril e ver uns barquinhos. Nas águas da Torreira vão estar Vougas e Sharpies na primeira regata oficial do ano e, para abrir o apetite, ficam algumas fotografias da edição do ano passado.


segunda-feira, 29 de março de 2010

sábado, 27 de março de 2010

"Les Nuits"


Apetecia-me escrever alguma coisa. Mais do mesmo não, barcos tenho dois encalhados na garagem à espera de outras marés, de dias menos castigadores e mais aprazíveis. Amanhã muda a hora e nasce-nos uma alma nova, tira-nos um peso brutal de cima, os entardeceres crescem e a nossa boa disposição também, mais uma hora de sol é o suficiente para fazer seres melhores, mais condescendentes, mais produtivos, mais permissivos, mais humanos.
Voltando ao barco, que não me parece agora conversa descabida, está há uns quantos meses a dormitar num celeiro esconso, com uma camada de pó considerável no lombo, hibernando.
Espreitei-o algumas vezes durante o Inverno, de fugida, e dá um certo gozo poder admirar as linhas de tal objecto, se a vida imita a arte aplica-se aqui.
E se é verdade que um Aston-Martin, parado, nos cria uma sensação de velocidade e gozo, sinto-o cada vez que vou buscar uns cavacos prá lareira, certos desenhos são intemporais.
O silêncio de um barco é pesado e entranha-se.

quarta-feira, 24 de março de 2010

terça-feira, 23 de março de 2010

domingo, 21 de março de 2010

"Mátria"




Meu amor é marinheiro
quando suas mãos me despem
é como se o vento abrisse
as janelas do meu corpo.
.
excerto da Trova do amor lusíada - Manuel Alegre

sexta-feira, 19 de março de 2010

quinta-feira, 18 de março de 2010

"El Viento en La Isla"



EL viento es un caballo:
óyelo cómo corre
por el mar, por el cielo.

Quiere llevarme: escucha
cómo recorre el mundo
para llevarme lejos.

Escóndeme en tus brazos
por esta noche sola,
mientras la lluvia rompe
contra el mar y la tierra
su boca innumerable.

Escucha cómo el viento
me llama galopando
para llevarme lejos.

Con tu frente en mi frente,
con tu boca en mi boca,
atados nuestros cuerpos
al amor que nos quema,
deja que el viento pase
sin que pueda llevarme.

Deja que el viento corra
coronado de espuma,
que me llame y me busque
galopando en la sombra,
mientras yo, sumergido
bajo tus grandes ojos,
por esta noche sola
descansaré, amor mío.
.
Pablo Neruda

terça-feira, 16 de março de 2010

"Ria de Aveiro"



"Mas o que tem para mim um grande encanto são os sítios ignorados da ria, onde a água cismática encharca, embebida no céu e reflectindo meia dúzia de ervas e dois barcos encalhados. Água esquecida ou pedaço do céu translúcido?...Acolá um borrão azul empoçado diante de uma trincheira verde. E este azul entranha-se na terra baixa e empapada, infiltra-se no subsolo, reaparece em fios e charcos. É inesperado e imprevisto. Não se sabe onde vai ter. Estou na terra ou na água? é um lago ou um rego? Uma vela navega entre campos verdes. É um saleiro. Ao longe na vasta planície retalhada, correndo a par de um biombo de pinheiros, outro barco desliza sobre a erva tenra dos arrozais.


...Outro canal. Carros de bois. A planície imensa cortada, riscada, atravessada por fios de água que convergem para um canal mais largo. Há charcos verdes atufados de nenúfares em flor, gordos e espalmados ao lume de água, com um botão branco a abrir. Alguns tufos de árvores rasteiras desdobram-se na água negra e profunda. Mais poças e, no Inverno e nos dias baços e parados, os ramos finos das árvores desenhando-se fio a fio, à pena, na água adormecida. No ar adormecido e na água que não existe, porque tudo parece atmosfera.


São terras impregnadas de água em baixo e envolvidas carinhosamente pela atmosfera marítima. Um rasgão e avisto os montes de sal espalhados pelo campo farto. Nos milharais andam grupos de cachopas enterradas até aos joelhos e os arrozais deslavados atiram para o céu as hastes com os pés metidos metidos na água.



Um grande trecho líquido empoçado. Lodo emaranhado de valas e de regos. Silêncio e luz. Fios de terra encaixilhando a vasta superfície dividida em rectângulos, com renques de árvores baixinhas torturadas pela poda. Silêncio húmido. Água imóvel. O que eu queria dar só o podem fazer os pintores - os tons molhados, os reflexos verdes, o galopar das nuvens fugindo sobre a imensa superfície polida, e, por fim, ao cair da tarde, a agonia dolorosa da luz. No céu não é a mesma coisa, no céu perde-se tudo num momento. Nestas poças os dourados entranham-se misturados à podridão dos verdes e levam muito tempo a esvair, agarrados numa aflição. Só aqui se compreende bem o que a luz lhe custa morrer."
.
Raúl Brandão in Os pescadores
Fotos- Américo Carvalho da Silva

domingo, 14 de março de 2010

"Spike Wademan"




Pinturas de Peter (Spike) Wademan.

sábado, 13 de março de 2010

sexta-feira, 12 de março de 2010

"Hairspray"






Fotografias de K. Arrigo / C.Borlenghi

"Regatas em Ovar - 2010"



Retirado do blog da Náutica Desportiva Ovarense. http://nado-ovar.blogspot.com/

quarta-feira, 10 de março de 2010

"Say Cheeese"

video

Boa Pub.

"Lisboa,Tejo e tudo"

Mais algumas de Lisboa. A meio do primeiro dia, quando o vento rumou a outras paragens deu pra tudo, petiscar qualquer coisa e matar a sede, fumar um cigarro nas calmas e tirar umas fotos a olhar pró balão.

No segundo dia, em que entrou um vento frescote, a maré ainda a vazar com bastante força e toda a gente à procura de menos corrente junto à margem, os parcos espectadores agradeceram.

Uma largada ao segundo e uma bolina muito boa, uma luz divinal que não é fácil adjetivar enquanto bolinávamos em direção "à outra margem",um bordo longo e o silêncio a bordo. O vento oscila entre os 19 e os 21, dá gosto ver a frota agrupada, quebra-se o silêncio, muda-se de bordo, aponta-se a Belém.

Fantastic Sailing!

terça-feira, 9 de março de 2010

"Woman"


fina/torneada/caprichosa
rasgada/plangente/misteriosa
transparente/raiada/dorida
lisa/leitosa/polida
cerimoniosa/excelsa/mundana
meiga/nostálgica/leviana
íntima/libidinosa/poética
saturada/satírica/céptica
alva/esclarecida/expectante
rasgada/vasta/exorbitante
misteriosa/contorcida/inabalável
egocêntrica/cruel/inexplicável
volúvel/inflamável/viciosa
fútil/distraída/caprichosa
maviosa/vibrante/condescendente
recreativa/rósea/prudente
viscosa/libertina/viciada
tranquila/pensativa/debilitada
circunspecta/pomposa/formal
expansiva/generosa/total
mística/doente/devaneadora
agreste/descarnada/ameaçadora
frágil/melada/recolhida
depauperada/desbotada/sumida
.
Balada das 24 residências de phalo - Alberto Pimenta

domingo, 7 de março de 2010

"Breeze"






Algumas imagens de um fim-de-semana fantástico, a bordo do "Breeze", em regata no Tejo. Houve de tudo um pouco, algum trabalho quando o vento refrescou, boa disposição, espírito competitivo a apimentar a coisa, ausência total de vento a permitir aproveitar um sol primaveril que fez as delícias da tripulação, um serviço de catering a bordo de se lhe tirar o chapéu, um cenário lindo pra fazer vela. A tripulação que, diga-se em abono da verdade, esteve em grande nível, teve ainda oportunidade de saborear o cosmopolitismo lisboeta em actividades menos aquáticas mas igualmente recompensadoras. Um agradecimento aos armadores pela forma inexcedível como me receberam. Ah...e o Mar da Palha...!

sexta-feira, 5 de março de 2010

quinta-feira, 4 de março de 2010

" O Diabo à solta"






Fotografias tiradas em S.Jacinto no dia 27 de Fevereiro, por volta das três da tarde. Desconheço a autoria mas o mail anda a circular por aí. O "Ventosga" já publicou algumas, fica a achega.

segunda-feira, 1 de março de 2010